Bike Trip Pelo Parque do Tamanduá

April 27, 2008 on 6:57 pm | In Bumerangue, Esportes, Pessoas | 13 Comments

Neste sábado fiz um passeio de mountain bike pela reserva do Tamanduá, situado em São Luiz do Purunã, a 42km de Curitiba. Fui com um amigo de longa data, o Marco, professor de circo e músico. Um cara legal que gosto muito. Foram junto também o seu irmão, Rodrigo e outro amigo, o Antonelo.

Já fazia um tempo que não fazia uma pedalada legal. A minha bicicleta estava parada desde novembro, quando fiz uma corrida de aventura. Mesmo suja e precisando de óleo ela não reclamou. A minha Trek 820 tem mais de 15 anos e está inteirinha, com quase tudo original. Apesar de ser antiga é boa de pedalar.

Saímos de Santa Felicidade, bairro de Curitiba onde moro, pelas 14:00h e pegamos a estrada para São Luiz. O tempo, que tinha estado bom até a hora do almoço começou a fechar e ficar preto para o lando que estávamos indo; só faltava chover! :-(

Chegamos no pedágio, local de deixar os carros e não é que choveu! Resolvemos esperar um pouco para ver se melhorava e acabamos dando sorte. Em menos de dez minutos abriu e saímos pedalando, entrando na estrada de terra que passa pela Fazenda Thalia e pelo Aeroclube de Planadores de Balsa Nova.

Eu tinha levado os meus bumerangues, mas com aquele tempo ruim e o vento forte resolvi deixá-los no carro. Depois de cinco minutos pedalando o sol abriu e o vento acalmou. Voltei para o carro e peguei dois bumerangues para jogar um pouco em alguma parada para descanso.

O bumerangue é um esporte interessante, pois cabe em qualquer lugar e é bem versátil, sendo complementar para várias atividades.

O passeio é todo em estradas de terra e a distância é de 25km. Fácil de fazer e plana na maior parte do passeio. Por isso deu para fazer bem tranqüilo e sem pressa. Tem um downhill lá pelo meio do passeio longo e não muito inclinada. Bom para se divertir um pouco e treinar descer rápido na estrada de terra com um pouco de pedras. No final chega-se a um riozinho e é hora de descansar e comer alguma coisa. Em seguida vem uma subida longa, como o downhill, só para compensar e voltar para a altitude normal do percurso.

Downhill na Reserva do Tamanduá

A paisagem é bonita, dos Campos Gerais, com poucas árvores e muito pasto e plantações. De tempos em tempos víamos um avião rebocando um planador para em seguida solta-lo para fazer o seu vôo solo.

Depois da subida vi um terreno limpo e grande. Falei que ali era o lugar ideal para jogarmos um pouco de bumerangue. Todos se animaram e queriam ver se aquele negócio voltava mesmo para as mãos.

De frente para uma leve brisa peguei um de meus bumerangues e lancei-0, fazendo um vôo bonito e circular e voltando direto para as minhas mãos. Os colegas olharam e se impressionaram. Joguei de novo e peguei outra vez. Daí gostaram da brincadeira e comecei a ensiná-los o básico para começar a jogar.

O Antonelo foi o que melhor se saiu, conseguindo jogar o bumerangue com um bom giro. Já falei que o giro é o combustível do bumerangue? Sem giro ele não tem gás para conseguir fazer o vôo inteiro e voltar para a sua mão.

A brincadeira estava boa mas tinhamos que continuar a trip. Já eram cinco da tarde e faltava metade do percurso. Aceleramos o passo e fomos conversando e apreciando o entardecer, tirando várias fotos.

Chegamos no pedágio, onde estavam os carros, já no entardecer. Pegamos os carros e voltamos para casa; felizes e cansados.

Nada como um bom esporte para cansar o corpo e relaxar a mente! :-)

Crédito das fotos: Marco, Rodrigo Fonseca e Rodrigo Stulzer. 

13 Comments »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Olá Rodrigo , meu camarada. que bom que você gostou desta pedalada. da próxima vez eu quero levá-los ao rio. É um pouco mais longe m as eu garanto que vale a pena. Uma cachoeira depois de um pedal eu acho que vale muito a pena. É isto.
    Grande abraço. Até o próximo pedal.
    Rodrigo

    Comment by rodrigo fonseca — April 27, 2008 #

  2. Meu caro Rodrigo, existem coisas na vida que não tem preço, e uma delas é pedalar no tamanduá com amigos do coração. “desta vida nada se leva, só se leva a vida que se levou”
    um grande abraço e quero ja marcar uma para esse feriado na represa de piraquara, saindo da casa do antonello, nivel de dificuldade médio para hard, + ou menos 30km. até lá.

    Comment by marco — April 28, 2008 #

  3. Obrigado amigos, vamos lá. Pode ser de bike, a pé, ou qualquer outra coisa. O que importa é se divertir juntos! :-)

    Abraços!

    Comment by Rodrigo Stulzer — April 28, 2008 #

  4. Legal, na minha cidade tem um trecho bom para fazer isso, incrível, em um trecho de 10~15/km tem 2 rios e várias downhills, algumas perigosas :P

    Comment by Diogo — April 29, 2008 #

  5. […] anos atrás retomei as pedaladas, mas acabei parando logo depois. E agora, a uns dois meses atrás voltei a andar, agora junto com alguns vizinhos do meu […]

    Pingback by Bike Trip por Campo Magro e Região | Empirical Empire — July 10, 2008 #

  6. […] montanhismo fui para o Mountain Bike, pegando a primeira onda do esporte no Brasil. Andei mais de 4.000km em um ano, conhecendo todas as […]

    Pingback by — Transpirando.com.br — February 24, 2009 #

  7. […] montanhismo fui para o Mountain Bike, pegando a primeira onda do esporte no Brasil. Andei mais de 4.000km em um ano, conhecendo todas as […]

    Pingback by Os Esportes Radicais e Eu: Uma Paixão Insana — Transpirando.com.br — February 24, 2009 #

  8. […] pedalar na Reserva do Tamanduá pela facilidade que é este trajeto para quem está começando. Já havíamos feito este passeio no ano passado, mas agora levaríamos as esposas e […]

    Pingback by Pedalada Pela Reserva do Tamanduá — Transpirando.com.br — February 25, 2009 #

  9. […] pedalar na Reserva do Tamanduá pela facilidade que é este trajeto para quem está começando. Já havíamos feito este passeio no ano passado, mas agora levaríamos as esposas e […]

    Pingback by Pedalada Pela Reserva do Tamanduá — Transpirando.com — March 3, 2009 #

  10. […] montanhismo fui para o Mountain Bike, pegando a primeira onda do esporte no Brasil. Andei mais de 4.000km em um ano, conhecendo todas as […]

    Pingback by Os Esportes Radicais e Eu: Uma Paixão Insana | Empirical Empire — March 20, 2009 #

  11. […] montanhismo fui para o Mountain Bike, pegando a primeira onda do esporte no Brasil. Andei mais de 4.000km em um ano, conhecendo todas as […]

    Pingback by Os Esportes Radicais e Eu: Uma Paixão Insana — Transpirando.com — March 25, 2009 #

  12. Parabéns pela trip pessoal. Essa região aí do Rio das Mortes é muito bonita. Quando quiserem conhecer mais as entranhas de balsa nova, ainda tem muita coisa bonita por ai…

    Comment by Eduardo — April 20, 2009 #

  13. […] lá passamos pela Estrada do Tamandua, muito conhecida de outros pedais. O Rio das Mortes, que era muito legal, agora tem uma ponte, que tirou todo o seu charme. Uma […]

    Pingback by Pedal de 110km pela Serra dos Veados e Estrada do Tamanduá — Transpirando.com — March 1, 2010 #

Leave a comment

XHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Powered by WordPress with Pool theme design by Borja Fernandez.
Entries and comments feeds. Valid XHTML and CSS. ^Top^